sábado, 20 de agosto de 2011

Dentre todas as almas já criadas

Emily Dickinson



Dentre todas as Almas já criadas -
Uma - foi minha escolha -
Quando Alma e Essência - se esvaírem -
E a Mentira - se for -

Quando o que é - e o que já foi - ao lado -
Intrínsecos - ficarem -
E o Drama efêmero do corpo -
Como Areia - escoar -

Quando as Fidalgas Faces se mostrarem -
E a Neblina - fundir-se -
Eis - entre as lápides de Barro -
O Átomo que eu quis!
 
(Tradução: José Lira)

7 comentários:

  1. Oi Aline, retribuindo a visita, vim cá conhecer teu cantinho e um pouco mais da Emily.

    Bjs
    Rossana

    ResponderExcluir
  2. Aline, os poemas de Emily Dickison são belos demais e nos faz pensar muito sobre as coisas materiais e imateriais.
    O difícil é achar os bem traduzidos.

    Grata pelo carinho e vim retribuir.
    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Emily é fundamental!
    Parabéns pelo blog!

    ResponderExcluir
  4. O Átomo! O troféu de quem alcança um sonho!

    Belo o teu poema...

    AL

    ResponderExcluir
  5. lindo este ...
    adoro o Dickison ...
    bjo

    ResponderExcluir